Brasil Esporte

Brasil perde nos pênaltis e está eliminado da Olimpíada de Tóquio

Seleção brasileira enfrentou as canadenses, na manhã desta sexta-feira, pelas quartas de final dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

Tóquio – O Brasil perdeu para o Canadá nos pênaltis, na manhã desta sexta-feira (30), e está eliminado do futebol feminino dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020.

Após empate de 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação, a decisão foi para os pênaltis. A seleção brasileira começou bem, com a goleira Bárbara defendendo a primeira cobrança, da craque canadense Sinclair. No entanto, as duas últimas cobranças brasileiras também foram desperdiçadas, e o Brasil encerrou sua participação no futebol feminino em Tóquio 2020.

No Rio 2016, a seleção do Canadá já havia sido algoz do Brasil ao vencer por 2 a 1 a disputa de terceiro lugar e ficar com a medalha de bronze da Olimpíada. Na ocasião, Alemanha ficou com o ouro e a Suécia, que havia eliminado o Brasil na semifinal, ficou com a prata.

Além da briga pela vaga na semifinal dos Jogos de Tóquio 2020, a partida reuniu duas das três maiores artilheiras em Olimpíadas — Marta (13 gols) e Sinclair (12) — na briga para se tornarem recordistas. A maior artilheira olímpica é a brasileira Cristiane, com 14 gols.

1º tempo
O jogo começou com o Brasil no controle das jogadas ofensivas. O Canadá tentava responder, mas sem muito sucesso. A primeira boa finalização da partida aconteceu aos 14 minutos, quando Marta tocou para Tamires na entrada da área, e a lateral brasileira chutou para cima do gol.

Depois da finalização brasileira, o jogo seguiu equilibrado, mas com o Canadá conseguindo ficar mais no campo ofensivo. Aos 24 minutos, Fleming recebeu uma bola na entrada da grande área, chutou rasteiro e a bola saiu à direita da goleira Bárbara. Foi a primeira grande chegada canadense, que arriscava mais jogadas aéreas.

O Canadá voltou a chegar com certo perigo aos 28, com a atacante Beckie foi lançada nas costas das zaga brasileira, entrou na área e chutou novamente à direita da goleira brasileira. Dois minutos depois, as canadenses mandaram a bola para a área, e Rafaelle interceptou antes que a atacante do Canadá cabeceasse livre.

Aos 33 minutos o VAR entrou em ação. Formiga acionou Duda na área, que caiu após um carrinho da defensora canadense. A princípio, a arbitagem marcou impedimento, mas o árbitro de vídeo chamou para checagem de um possível pênalti, que não foi marcado.

Depois disso, a seleção brasileira voltou a ter o controle do jogo, sobretudo marcando a saída da defesa adversária. Aos 40 minutos, Debinha pressinou e tomou a bola da zagueira Gilles, entrou na área e finalizou em cima da goleira. Foi a última boa jogada do primeiro tempo.

2º tempo
O segundo tempo começou como terminou o primeiro: equilibrado, mas com o Brasil tentando ter mais controle da bola no campo ofensivo. No entanto, a primeira grande jogada foi canadense, com a zagueira Gilles aproveitando um cruzamento na área para mandar a bola no travessão da goleira Bárbara.

O Brasil ameaçou as canadenses de novo aos 25 minutos, quando Debinha arriscou de fora de área, obrigando a goleira Labbé fazer uma boa defesa.

Nos minutos finais de jogo o Canadá tentou pressionar. Em um longo lançamento do campo defensivo, aos 40 minutos, Rose recebeu e entrou livre na área, mas a Érika recuperou a tempo e deu um carrinho preciso para mandar a bola à linha de fundo. As duas seleções ainda tentaram lances ofensivos nos minutos finais, mas o jogo acabou em 0 a 0.

Prorrogação
O único lance perigoso do primeiro tempo da prorrogação aconteceu em uma jogada que a Ludmila entrou na área entre duas zagueiras canadenses, batou a bola na frente e antes de conseguir passar para Debinha, se chocou com a goleira, que se jogou na dividida. O árbitra entendeu o lance como faltoso, e deu amarelo para a atacante brasileira.

O segundo tempo da prorrogação começou melhor para o Brasil. Embora as duas seleções já demonstrassem cansaço, as brasileiras mantiveram a bola no campo ofensivo e teve uma boa finalização ao 7 minutos, com um chute de Debinha de fora da área, que passou próximo da trave direita da goleira Labbé.

O Brasil seguiu pressionando, sobretudo com bolas aéreas, e no lance mais perigoso Érika cabeceou e obrigou a goleira canadense a fazer uma grande defesa, impedindo o gol brasileiro aos 12 minutos. Foi o último lance perigoso da partida e o jogo foi para decisão nos pênaltis.

Pênaltis
A primeira cobrança na decisão dos pênaltis foi da craque canadense Sinclair. Ela mandou no canto direito da goleira Bárbara, que defendeu. Marta também foi a primeira a bater pelo lado brasileiro, e marcou.

As cinco cobranças seguidas foram covertidas — três do Canadá e duas do Brasil. Na quarta cobrança brasileira, Labbé defendeu a batida de Andressa Alves, deixando o placar igual. A última cobrança canadense também foi convertida, enquanto Rafaelle também parou na goleira do Canadá. Vitória canadense nos pênaltis por 4 a 3.

Com informações do R7 / redacao@diarioam.com.br

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Direto da Redação

Notícia, conteúdo e credibilidade

Folha de Maués

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1 > Turismo e Viagem

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1 > Mundo

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: