Mundo

Arábia Saudita solta ativista presa por defender o direito das mulheres de dirigir

Loujain al-Hathloul ficou presa por quase três anos. Ela também defende o fim do regime de tutela masculina no país.

A Arábia Saudita libertou, na quarta-feira (10), uma ativista que defendia o direito das mulheres dirigirem que estava presa em maio de 2018.

Loujain al-Hathloul, 31, foi condenada em dezembro 2018 a seis anos de prisão. A Justiça considerou que ela havia violado as leis antiterrorismo da Arábia Saudita. Além de defender o direito das mulheres de dirigir, ela também era contrária ao regime de tutela masculina da Arábia Saudita.

A execução da pena foi encurtada em dois anos e dez meses.

No entanto, ela ainda está proibida de viajar pelos próximos cinco anos.

Loujain al-Hathloul foi presa em 2018 — Foto: Reuters

Loujain al-Hathloul foi presa em 2018 — Foto: Reuters

Loujain foi presa com outras ativistas pelos direitos das mulheres. Ela foi condenada por tentar mudar o sistema político da Arábia Saudita e pôr em risco a unidade nacional.

A Arábia Saudita permitiu que mulheres dirigissem a partir de junho de 2018.

Quando o caso dela foi transferido para um tribunal especializado em terrorismo, as autoridades divulgaram parte das acusações.

A Justiça afirmava que ela pedia o fim da tutela masculina e estava em contato com grupos de direitos humanos, ativistas sauditas no exterior, diplomatas estrangeiros e jornalistas de outros países.

Primeira prisão

Em 2014, ela foi presa ao tentar cruzar de carro a fronteira entre os Emirados Árabes e a Arábia Saudita. Loujain ficou 70 dias detida e se tornou conhecida no país.

Ela fez campanha com outras mulheres para manter o tema dos direitos das mulheres no debate público, ajudou a fazer protestos e deu entrevistas a jornalistas estrangeiros.

Ela passou a receber críticas dos conservadores muçulmanos.

Tortura na prisão

Segundo a agência Reuters, foram levadas à Justiça alegações de que Loujain foi submetida a abusos sexuais e tortura. A corte não abriu um processo pois entendeu que não havia evidência, de acordo com a família.

A Anistia Internacional pediu uma punição aos responsáveis pela tortura de Loujain e a suspensão da proibição de viajar.

Representantes do governo do país não responderam perguntas sobre a condenação ou sobre a pena.

Direitos humanos na Arábia Saudita

O presidente Joe Biden, dos Estados Unidos, fez um comentário sobre o caso: “Libertá-la era a coisa certa a fazer”, disse ele.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, também recebeu bem a notícia da soltura, de acordo com seu porta-voz.

A forma como a Arábia Saudita lida com direitos humanos passou a ser mais questionada depois do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. Ele foi morto por agentes sauditas na Turquia. O príncipe Mohammed bin Salman afirma que não deu ordem para que o crime fosse cometido.

Por: G1

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Direto da Redação

Notícia, conteúdo e credibilidade

Folha de Maués

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1 > Turismo e Viagem

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1 > Mundo

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: