Brasil saúde

Vacina da Johnson teve eficácia de 66% contra casos moderados e graves de Covid-19, acompanhe a matéria.

Nenhuma pessoa vacinada morreu da doença. Vacina é a única em etapa avançada de testes com apenas uma dose; imunizante também funcionou contra a variante da África do Sul, considerada mais contagiosa. A eficácia global da vacina não foi divulgada, e os resultados ainda não foram publicados em revista científica.

A Johnson anunciou, nesta sexta-feira (29), que sua vacina contra a Covid-19 teve 66% de eficácia em prevenir casos moderados e graves. Considerados apenas os casos graves, o nível de proteção foi de 85%. Nenhuma pessoa vacinada morreu de Covid. A eficácia global da vacina não foi divulgada, e os resultados ainda não foram publicados em revista científica.

A vacina da Johnson é uma das que foram testadas no Brasil. Por isso, a empresa pode entrar com o pedido de uso emergencial no país: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou que só pode haver liberação para uso emergencial de vacinas que já estejam em teste no Brasil.

A Johnson ainda não entrou com o pedido de uso emergencial ou pedido de registro sanitário junto à Anvisa. Até agora, apenas as vacinas de Oxford e a CoronaVac foram aprovadas no país.

O imunizante também funcionou contra a variante da África do Sul, mais contagiosa. A vacina, que usa a tecnologia de vetor viral, é a única em etapa avançada de testes com apenas uma dose.

Veja os principais pontos do anúncio:

  • Considerando todos os ensaios de fase 3 – em 8 países, incluindo Estados Unidos, Brasil e África do Sul – a vacina teve 66% de eficácia contra casos moderados e graves de Covid 28 dias após a vacinação. Isso significa uma redução de 66% nos casos moderados e graves de Covid no grupo vacinado em relação ao grupo não vacinado.
  • Nos ensaios dos EUA, a eficácia contra casos moderados e graves foi de 72%; na América Latina, de 66%; na África do Sul, onde uma variante mais contagiosa do coronavírus está circulando, a eficácia foi de 57%.
  • Considerados apenas os casos graves, em todas as regiões, a eficácia da vacina chegou a 85%. Isso significa uma redução de 85% nos casos graves de Covid no grupo vacinado em relação ao grupo não vacinado.
  • A proteção começou 14 dias após a vacinação.
  • A eficácia da vacina aumentou com o passar do tempo: não houve nenhum caso grave de Covid nos participantes vacinados 49 dias após a aplicação da vacina. A vacina garantiu 100% de proteção contra hospitalização e morte por Covid 28 dias depois da vacinação. Após essa data, ninguém foi hospitalizado ou morreu de Covid.
  • A proteção foi, de forma geral, “consistente” em todos os participantes, independentemente da raça ou idade – inclusive em adultos acima de 60 anos.
  • A vacina pode ser armazenada por pelo menos 3 meses em temperaturas de 2ºC a 8ºC – o que é compatível com a rede de frio de vacinação usada no Brasil hoje. Em temperaturas de -20ºC, ela fica estável por dois anos, estima a Johnson.

No Brasil, segundo a Anvisa, 7.560 pessoas participaram dos ensaios: em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Norte, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

Outras vacinas e aprovações

Com o anúncio da Johnson, agora são 8 imunizantes ao redor do mundo que tiveram seus dados de eficácia divulgados ou publicados em revista científica. Quando a publicação acontece, isso significa que os resultados foram avaliados e validados por outros cientistas.

Até agora, as seguintes vacinas tiveram seus dados publicados em revista:

  1. Pfizer/BioNTech: 95% de eficácia
  2. Moderna: 94,1% de eficácia
  3. Oxford/AstraZeneca: 70,4% de eficácia

Outros 5 desenvolvedores apenas divulgaram a eficácia de suas vacinas, sem publicar estudos:

  1. Sputnik V: 91,4% de eficácia
  2. Novavax: 89,3% de eficácia
  3. Sinopharm: 79,3% de eficácia
  4. Johnson: 66% de eficácia contra casos moderados e graves
  5. CoronaVac: 50,38% de eficácia

As vacinas da Moderna e da Pfizer já foram aprovadas nos Estados Unidos, no Reino Unido e na União Europeia, além de Canadá, Israel e outros países.

O Reino Unido também aprovou a vacina de Oxford, que ainda aguarda autorização de uso da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês), prevista para esta sexta-feira.

CoronaVac, da Sinovac, foi aprovada pela China, que a desenvolveu, pelo Brasil, Indonésia, Turquia e Chile. O Chile foi o último a receber as primeiras doses, na quinta-feira (28).

A Sputnik V já foi aprovada na Rússia, a desenvolvedora, e em outros países, como a Argentina, onde já está sendo aplicada; a Hungria, único da União Europeia a conceder a autorização; e o Irã.

A vacina da Sinopharm já foi aprovada na China, que a desenvolveu, e em outros países, como o Bahrein.

A vacina da Novavax era, antes da Johnson, a mais recente a divulgar os estudos de fase 3, e ainda não foi aprovada para uso em nenhum país.

Fonte: g1.globo.com

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Direto da Redação

Notícia, conteúdo e credibilidade

Folha de Maués

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1 > Turismo e Viagem

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1 > Mundo

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

g1

Notícias da Terra do Guaraná, Amazonas, Brasil e Mundo

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: