Amazonas Política

Ex-senadora Vanessa não descarta disputar a Prefeitura de Manaus

Em entrevista ao Em Tempo, a ex-senadora conta que ficará à frente da luta dos movimentos sociais

LUANA DAVILA 13 de janeiro de 2019 – 12:19

Manaus – Sem mandato, a ex-senadora da República pelo PCdoB, Vanessa Grazziotin, que deixa o Congresso Nacional depois de 16 anos, a partir de agora ficará à frente da luta dos movimentos sociais e continuará fazendo oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Ao EM TEMPO Grazziotin diz que espera brevidade do atual governo Bolsonaro, por discordar de suas conjunturas e escolhas políticas, por exemplo o modelo defendido pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, que é contra a política de incentivos fiscais, o que põe em risco a Zona Franca de Manaus (ZFM). Ela também não descarta a possibilidade de disputar a Prefeitura de Manaus.

EM TEMPO – Depois de oito anos, a senhora se despede do Senado. Quais seus planos políticos a partir de agora?

Vanessa pode ser candidata à Prefeitura de Manaus na próxima Eleição municipal
Vanessa pode ser candidata à Prefeitura de Manaus na próxima Eleição municipal | Foto: Pedro França/Agência Senado

Vanessa Grazziotin — Vou permanecer na luta política, na direção do meu partido e junto aos movimentos sociais e à população do meu Estado. Mais do que nunca, é preciso que o povo se mobilize contra o mar de absurdos que o governo Bolsonaro aponta. Muitos dizem que é preciso esperar o governo agir, mas vamos esperar o quê? Que as aposentadorias sejam cassadas? Que os direitos indígenas sejam usurpados? Que a Zona Franca seja extinta como quer o ministro Guedes? Não, mais do que nunca, vou lutar pelo povo.

EM TEMPO – A senhora pretende se candidatar à Prefeitura de Manaus?

V. G. — Ainda é muito cedo para se debater este tema, e o PCdoB irá debater com todos os setores progressistas de nossa cidade.

Grazziotin diz que espera brevidade do atual governo Bolsonaro
Grazziotin diz que espera brevidade do atual governo Bolsonaro | Foto: Arte Lion/Em Tempo

EM TEMPO – A senhora continuará fazendo oposição ao governo Bolsonaro?

V. G. — Sem dúvida nenhuma. Não sou uma opositora irresponsável, mas até agora não houve uma única proposta que amplie direitos ou conquistas. Só surgem acusações, retiradas de conquistas, venda de patrimônio e discursos de ódio.

EM TEMPO – O que se espera de um governo de direita?

V. G. — Em primeiro lugar, esperamos que ele seja breve. Mas falando sério, iremos lutar todos os dias para que as conquistas históricas traduzidas na Constituição não sejam atacadas. Dizer que o problema da corrupção tem relação com a CLT ou com as cotas é de uma profunda desonestidade. O que a extrema direita tenta é corromper a verdade, os fatos e as conquistas do povo mais pobre.

EM TEMPO – A senhora foi uma das maiores defensoras da Zona Franca, que agora cai nas mãos de Paulo Guedes, que discorda dos incentivos fiscais. Podemos dizer que ela corre o risco de extinção?

V. G. — Sem dúvida. Ele é o maior inimigo da Zona Franca, e sempre denunciamos isso. Basta ver que este governo é o primeiro da história republicana que não tem nenhum representante do Norte e do Nordeste.*

A ex-senadora pelo Amazonas é do PCdoB
A ex-senadora pelo Amazonas é do PCdoB | Foto: Divulgação

EM TEMPO – PCdoB, PDT e PSOL compõem um bloco de oposição na Câmara Federal. Por que o PT não participa desse bloco?

V. G. — O PT é o maior partido da esquerda, e iremos trabalhar junto com ele no enfrentamento ao governo Bolsonaro, assim como trabalharemos com o PSOL e outros partidos. A questão do Bloco na Câmara é uma questão específica do funcionamento da Casa. Em outros momentos, como nos governos Lula e Dilma, também fizemos blocos com o PSB e o PDT sem participação do PT, sem que isso tenha representado uma ruptura ou diferença na disposição de luta pelo povo.

EM TEMPO – O que a senhora pretende fazer antes das próximas eleições?

V. G. — Como te disse, vou me dedicar à luta pelo povo através do meu partido e dos movimentos sociais.

A ex-senadora diz que não é "uma opositora irresponsável ao governo Bolsonaro"
A ex-senadora diz que não é “uma opositora irresponsável ao governo Bolsonaro” | Foto: Janailton Falcão

EM TEMPO – O que a senhora tem a dizer para os eleitores que depositaram sua confiança em Jair Bolsonaro?

V. G. — Contem comigo na defesa dos interesses do nosso povo. Muitos votaram nele querendo mudanças e o fim dos escândalos, e são desejos legítimos. Infelizmente, este governo não irá realizar nenhuma mudança para melhorar a vida das pessoas mais humildes, apenas para os mais ricos. Assim como a falta de explicações sobre o motorista e os repasses suspeitos dele mostram que este governo será uma usina de escândalos e mal feitos. Portanto, contem comigo, pois não iremos arredar pé da defesa do povo brasileiro, independente de quem esteja no governo federal, no governo estadual ou na prefeitura da sua cidade.

*No dia em que a entrevista foi concedida (03/01/19) o superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, ainda não tinha sido nomeado

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Direto da Redação

Notícia, conteúdo e credibilidade

Folha de Maués

Notícias da Terra do Guaraná

G1 > Turismo e Viagem

Notícias da Terra do Guaraná

G1 > Mundo

Notícias da Terra do Guaraná

G1 > Brasil

Notícias da Terra do Guaraná

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: