Brasil

Díaz-Canel diz que Bolsonaro agiu com ‘soberba’ e foi ‘insensível’ ao questionar médicos cubanos

Por G1

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, afirmou na quinta-feira (20) que o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, atuou com “soberba” e foi “insensível” ao questionar o profissionalismo dos médicos da ilha que trabalhavam no país.

“Não tínhamos outra opção além da retirada de Cuba do programa Mais Médicos”, disse Díaz-Canel em uma cerimônia de homenagem aos profissionais da saúde que retornaram a Havana.

“Era impossível permanecer de braços cruzados ante um governo [eleito] com soberba e insensível, incapaz de entender que nossos médicos chegaram ao país movidos pelo impulso de servir ao povo”, declarou.

O governante cubano confirmou o retorno de 7.635 médicos (90%) que integravam o programa “Mais Médicos” no Brasil e que atendiam principalmente áreas menos favorecidas, em cidades com vagas que não haviam sido preenchidas por profissionais brasileiros. Outros 836 optaram por permanecer no Brasil.

“Todos tiveram despedidas com abraços e lágrimas de milhares de brasileiros de coração nobre e valores humanos superiores aos do novo presidente, cujas declarações e ameaças provocaram o retorno”, disse.

Novas exigências brasileiras

Em novembro, Havana decidiu se retirar do acordo mantido pela Organização Panamericana de Saúde (Opas) firmado havia cerca de cinco anos com o Brasil, em reação contra as críticas feitas por Jair Bolsonaro desde a campanha.

Para Bolsonaro, as condições a que se submetiam os médicos cubanos representavam “trabalho escravo”.

  • Bolsonaro: ‘Cubano que quiser pedir asilo aqui, vai ter’

O presidente eleito condicionou a permanência deles à revalidação de diploma e a contratos individuais com o governo brasileiro, que lhes permitissem receber o salário integral (Cuba repassa para a seus médicos no exterior 30% do que eles recebem por seu trabalho).

Ele também impôs como condição a liberdade aos profissionais cubanos para trazerem suas famílias para o Brasil.

A exportação de mão de obra médica é a primeira atividade da economia cubana, que proporcionou mais de 10 bilhões de dólares anuais ao orçamento estatal. Esse montante baixou consideravelmente nos últimos anos, porém, devido à crise da Venezuela, onde trabalham milhares de médicos cubanos.

Cuba paga a seus médicos no exterior 30% do que recebem por seu trabalho, mantém seu posto de trabalho e salário na Ilha e dedica o restante dos recursos ao orçamento público, sobretudo, para o apoio de um sistema de saúde gratuito e universal para seus cidadãos.

Posse

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil informou nesta segunda-feira (17) que convidou, e depois desconvidou, Miguel Díaz-Canel para a posse de Jair Bolsonaro, que acontecerá em 1º de janeiro. O mesmo aconteceu com o chefe de estado da Venezuela, Nicolás Maduro.

Os governo dos dois países eram próximos ideologicamente dos governos petistas no Brasil.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Direto da Redação

Notícia, conteúdo e credibilidade

Folha de Maués

Notícias da Terra do Guaraná

G1 > Turismo e Viagem

Notícias da Terra do Guaraná

G1 > Mundo

Notícias da Terra do Guaraná

G1 > Brasil

Notícias da Terra do Guaraná

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: